Aviso importante!

Blog em reforma!
As 260 postagens do blog estão passando por análises e reformatação. Todas estão arquivadas e serão republicadas aos poucos, conforme forem formatadas.
Em Abril de 2018 estará tudo normalizado.

01 de Fevereiro de 2018



quarta-feira, outubro 29, 2014

Diário catastrófico: Uma vítima voluntária



29 de outubro de 2014

quando eu era pequeno me fizeram chorar.
um choro sentido, cheio de significados.
eu ainda não tinha coragem pra dizer "para".
então o que eu podia fazer era, simplesmente, me afastar e fugir.

enquanto fui crescendo, eu continuei me afastando,
mas nesse tempo eu comecei a amadurecer.
talvez crescer com o sentimento de ódio e medo tenha sido muito ruim pra mim.
mas enfim eu amadureci.

quando retornei foi diferente,
na primeira vez que deixei o medo de lado, a coragem se apossou de mim.
mas ainda hoje não esqueço daqueles dias.
eu era a vítima porque eu deixava.

Com apreciação,
Gabryel Fellipe F. Costa


Por todos os cantos existem as chamadas "vítimas voluntárias".
Elas podem ser encontradas dentro de algumas famílias, no canto de uma sala de aula, em algum grupo religioso, enfim. Não é difícil de encontrá-las.
Para identificar uma, é só observar naquelas que sofrem caladas e aceitam tudo de cabeça baixa, mas são expert em fingir. E todo esse fingimento será a matéria mais avançada para eles e que demonstrará ótimos resultados quando a vitima voluntária acabar explodindo e recebendo a coragem como troféu.
Acredita-se que todos, um dia, já foram vítimas voluntárias.


Porque sempre acontecem catástrofes em nossa trajetória de vida, afinal, todos temos o nosso diário catastrófico, e esse é para me fazer crescer mais, e melhor.

sexta-feira, setembro 19, 2014

[Foto Resenha] Se eu ficar (If I stay) - Gayle Forman

Depois de várias ideias eu finalmente encontrei um modo de modificar as coisas aqui no blog!
Vou começar os testes de escrever resenhas em forma de infografia.

Para iniciar o #FotoResenha vou começar info grafando sobre o livro Se eu Ficar, da autora Gayle Forman, livro que, inclusive, já ganhou adaptações para os cinemas.


E eu chorei!
Tirei uma estrela pelo motivo de vários "De repente e aconteceu", como por exemplo da hora do acidente. NÃO É SPOILER. Outro ponto negativo são os desenhos das claves nas páginas ímpares, achei desnecessário e agonizante.

Agora eu espero a opinião de vocês, devo continuar com esse formato de Resenha? O que acharam?

quinta-feira, julho 31, 2014

Mais Rowling - Quarenta e nove anos - Vida longa á rainha!



O que seria de mim se naquele momento da minha vida eu não tivesse encontrado um refúgio?


Para iniciar essa postagem, já quero dizer que aqui eu entro um pouco com o meu pessoal, um desabafo quase ministerial.
É sobre o que muitas pessoas maldizem e eu não consigo acatar, sobre opiniões jogadas pra cima de mim de gente que espera que eu mude minha opinião.


Cada um pensa do jeito que achar convincente, mas eu acredito e sigo o pensamento que ninguém, em hipótese alguma, deve criar uma opinião, sobre qualquer coisa que seja, sem conhecer.


Eu cresci no meio evangélico e fui submetido a seguir pensamentos que eu nem sequer acreditava. Muita coisa dita e ensinada eu via mais como uma semente lançada para gerar ódio entre religiões. Mas quando a religião chegou num ponto a querer me proibir de fazer algo me fazia bem, eu não aceitei e dei um basta.


Joanne Kathleen Rowling pode ou não pode ser o que dizem, EU REALMENTE NÃO ME IMPORTO. O que eu me importo mesmo é com os livros que ela escreveu, que são muito mais do que "feitiçaria". São sobre:

• a luta persistente contra o mal;
• onde amigos permanecem amigos até o fim, mesmo com desavenças..
• onde a persistência, a amizade e a coragem são maiores que pré-julgamentos,
• e valem mais que uma palavra mal usada;


Mas...
• as pessoas gostam de focar no mal das coisas;
• ninguém pode fazer sucesso que os religiosos e os invejosos já dizem que é maligno e material de pacto; 


Se há lutas, guerras, magia negra, ódio, me digam um livro que não tem!
Até mesmo "O Senhor dos Anéis" e "As Crônicas de Nárnia", que tem todos essas características, são considerados livros cristãos, baseados na Bíblia.
Mas então surge J.K. Rowling, uma mulher de garra que levou muitos murros e chutes na vida, que sofreu fortemente mas não desistiu de viver, e deu ás crianças do mundo muito mais que um simples prazer, deu a elas um lugar onde pudessem se refugiar e continua dando refúgios á pessoas de todas as idades, escrevendo com e por Amor, para existir Amor, e não para acabar com seus leitores os tornando pessoas piores e "enfeitiçadas".


Se ela é ou não é maligna, eu não sei, e não cabe a mim julgar. Pra mim ela é uma anja que não caiu do céu, mas foi um presente do Criador para me reerguer.


#rowlingmore


Não sou um bruxo mas eu preferia ser.
Porque é mais verdadeiro do que  muito ser humano de merda, ou melhor dizendo: trouxas.


Joanne Kathleen Rowling - 31 de Julho de 1965
49 anos!
Eu te amo, rainha!

sexta-feira, julho 18, 2014

#EuJuroQueEuQuero 7 - Os Três, de Sarah Lotz


Editora: Arqueiro
Ano: 2014
Gênero: Terror, Drama;
Páginas: 400
Sinopse: "Quinta-Feira Negra. O dia que nunca será esquecido. O dia em que quatro aviões caem, quase no mesmo instante, em quatro pontos diferentes do mundo. Há apenas quatro sobreviventes. Três são crianças. Elas emergem dos destroços aparentemente ilesas, mas sofreram uma transformação. A quarta pessoa é Pamela May Donald, que só vive tempo suficiente para deixar um alerta em seu celular: Eles estão aqui. O menino. O menino, vigiem o menino, vigiem as pessoas mortas, ah, meu Deus, elas são tantas... Estão vindo me pegar agora. Vamos todos embora logo. Todos nós. Pastor Len, avise a eles que o menino, não é para ele... Essa mensagem irá mudar completamente o mundo.




Muito comentado em meio a blogosfera, o livro de Sarah Lotz já se tornou um dos mais aguardados.

No Skoob já foram lançadas várias resenhas, muitas criticas e pela internet á dentro existem pessoas de todos os lugares falando sobre OS TRÊS.

Atualmente no Skoob já foram cadastrados mais de dois mil usuários que tem interesse em ler o livro.

Assista ao Book Trailer do Livro clicando aqui.


sábado, julho 12, 2014

#Resenha - Battle Royale - Koushun Takami

E não se tratava simplesmente de serem mortos: os estudantes deviam se matar uns aos outros até que restasse uma única cadeira. Sim, esse era o pior jogo de dança das cadeiras de toda a história.” Página 46, Editora Globo Livros

Quarenta e dois alunos são depositados numa ilha onde o objetivo de cada um é sobreviver. Num dia todos são colegas de classe e no outro ninguém pode confiar em ninguém. Ontem você não dava nada pelos imbecis da classe, hoje esses mesmos imbecis estão escondidos esperando para te matar.

Em Battle Royale não existe o se opor a participar do jogo. Ninguém nem ao menos escolhe estar nele. Aqueles que acabam ampliando seus pensamentos de rejeição ao tal [Yukiko Kitano e Yumiko Kusaka] se dão muito mal.

Você não pode querer não matar. Se você quer viver, você precisa revidar as ameaças.

Todos ali são obrigados a se matar para sobreviver. Não há como fugir.
Alguns [Kazuo Kiryama] matam a sangue frio, outros [Mitsuko Soma] tiveram motivos para serem maus. 

Em Battle Royale, viver no Japão é ser obrigado a aceitar as regras do Supremo Líder que criou esse programa onde jovens tem que se matar para sobreviver e apenas um sai com vida, mas ainda assim, esse que sai com vida, continua a ser cativo, e todo esse programa serve apenas como um aviso á população para que não ajam como rebeldes.

... Seja lá como for, se seu oponente te apontar uma arma, não hesite. Do contrário, você morre. Antes de ficar refletindo sobre o adversário, em primeiro lugar desconfie. Você não deve confiar muito em ninguém neste jogo.Página 157, Editora Globo Livros


Um pouco de opinião:

Estou bastante feliz por finalmente ter conseguido ler esse livro. 
A primeira vez que soube da existência de Battle Royale foi pelo Biblioteca do Terror que tem as melhores resenhas de livros tensos e intensos, todas escritas pelo Rafa Filth!
O livro é indicado por Sthepen King, e só por ai já se pode prever que é um baita livro.
Pra se ter mais uma ideia geral: Battle Royale perdeu um prêmio de literatura no Japão por ser considerado um livro de conteúdo polêmico.

O livro tem adolescentes da oitava série (nono ano) como personagens principais.
Sobrevivência como objetivo.
Matar como salvação.
Viver como cativeiro.
Fugir, o que é impossível, como libertação.

   
"Não posso simplesmente morrer. Na minha idade, ainda há muita coisa para fazer e se divertirSho Kawada – Página 350, Editora Globo Livros

Dos quarenta e dois alunos, quando percebi que só restavam seis foi um baque e tanto.
Quando pensei que eu poderia prever quem iria se salvar, Koushun riu na minha cara.
Odiei antes do tempo, e amei fora de hora. Torci pra lados errados diversas vezes e esqueci os momentos de me tornar a favor.

 
... Agora restavam vinte e um estudantes. Apenas dezoito horas haviam se passado desde o inicio do jogo e, mesmo assim, a turma B do nono ano da Escola de Ensino Fundamental Shiroiwa foi reduzida à metade.Página 357 - Editora Globo Livros

Algumas dificuldades na leitura se dá pelo nome dos personagens, mas isso só acontece no início. Depois de um tempo a gente se pega até escrevendo o nome deles sem consultar o livro. Sem contar que a personalidade dos personagens foi criada com uma maestria que faz qualquer um amar o livro. Koushun é quem teve sucesso ao escrever cada peça desse jogo: Uns engraçados [Yutaka Seto], outros sérios [Shogo Kawada], homossexuais [Sho Tsukioka], tolos [Yoshio Akamtsu], excêntricos [Mizuho Inada], inteligentes [Shinji Mimura], outros que surpreendem [Takako Chigusa] e ainda outros que são os mais empolgantes da história [Shuya Nanahara e Noriko Nakagawa]...

Um livro narrado em 3ª pessoa mas que faz você pensar com e como o personagem.
Assemelha-se a Jogos Vorazes? Sim. E quase muito. Porém não têm o mesmo objetivo.


Links

Para saber mais clique em Quotes, ou se quiser a lista dos mortos em ordem clique em Spoiler.


domingo, junho 15, 2014

Livros novos na Sexta Feira 13


E nessa última Sexta-feira 13 chegaram meus mais novos livros!



A Verdade sobre ocaso Harry Quebert, de Joel Dicker : Vencedor de vários prêmios literários, esse livro ganhou o titulo de melhor livro do ano. Há quem ache o livro detestável e há quem o ache perfeito. Agora eu quero saber se pra mim ele realmente merece o titulo de melhor livro do ano.

Réquiem, de Lauren Oliver: Esse é o último livro da Trilogia Delírio e eu estou bastante ansioso por ele porque é o desfecho de uma trilogia que eu estou amando muito. Amigos leitores estão dizendo que é mais uma conclusão de série que destruiu toda uma história, mas eu espero não me decepcionar. Já até parei de criar expectativas.

Maze Runner: Prova de fogo, de James Dashner: Maze Runner é uma série que eu mergulhei de cabeça e estou curtindo demais. Estou curioso para saber a continuação de Correr ou Morrer. A escrita de Dashner é muito adrenalina.

Fênix: A Ilha, de John Dixon: Amigos meus, que leram Fênix, A Ilha, estão morrendo de amores pelo livro. Ainda não ouvi nenhuma reclamação sobre ele, portanto, já quero conhecer.

quarta-feira, junho 04, 2014

#Resenha - Pandemônio (Pandemonium) - Lauren Oliver


Mas agora o futuro, assim como o passado, nada significa. Agora só existe um lar erguido a partir de lixo e detritos, à margem de uma cidade destruída, logo depois de um imenso lixão; e a nossa chegada, famintos e semiparalisados pelo frio, em um lugar com comida, água e paredes que isolam lá fora os ventos brutais. Para nós, aqui é o paraíso.” Página 235


Sinopse:

Duas realidades, duas Lenas, diferentes ameaças. Antes e agora. Dividida entre o passado — Alex, a luta pela sobrevivência na Selva — e o presente, no qual crescem as sementes de uma violenta revolução, Lena terá que lutar contra um sistema cada vez mais repressor, sem, porém, se transformar em um zumbi: modo como os Inválidos se referem aos curados. Não importa o quanto o governo tema as emoções: pouco a pouco a sociedade se incendeia pelas faíscas da revolta, vindas de todos os lugares... inclusive de dentro.




Discorrer:

Pandemônio, de Lauren Oliver me mostrou o que é uma distopia!

Durante muitos anos os cidadãos foram forçados a passarem por uma intervenção da qual se encontrava a cura para o deliria, uma doença onde o Amor é o problema.
Mas dentre todos esses cidadãos, também existem aqueles que não concordam com as autoridades que falam por eles.
Existem os resistentes. Os chamados: inválidos!

Magdalena Morgan Jones me deixou maluco!
Se em Delírio a personagem já era cheia de emoção e força, em Pandemônio ela aprendeu a ser também destemida. 
A Selva a obrigou a amadurecer e a tornar a si mesma em sua maior defesa. Mais do que isso, Lena agora é um membro importante em sua "equipe" na selva.

No decorrer do livro a  narrativa caminha se intercalando entre o passado e o presente, sempre sendo contada pela personagem Lena.
É a partir dessa narrativa que o leitor vai entendendo as escolhas e os problemas de Lena e dos inválidos, e assim, criando uma opinião sobre tudo. Em cada nova cena uma intensidade maior acontece.



Opinião:

Eu amei Pandemônio, assim como eu também amei Delírio.

O primeiro volume começou meu ano, e o segundo me deu o valor que eu estimava! Melhor que o primeiro, com certeza. Mais profundo? Talvez não.
A narrativa e os detalhes foram maravilhosos e o final um pouco corrido, mas mesmo assim não foi menos admirável.

Se for fazer uma comparação entre Pandemônio e Delírio, posso dizer que Pandemônio é bem mais preciso.

Em Pandemônio conseguimos enxergar as coisas acontecendo com mais vivacidade. Há realmente um pandemônio acontecendo e a questão do ser a favor ou ser contra a cura fica mais evidente.
Talvez pelo fato desse volume não haver mais um envolvimento entre Alex e Lena, a história tenha ficado mais feroz do que profunda.
Em Delírio eu até chorei, mas em Pandemônio eu não deixei de sentir muitas emoções.

Quanto a narrativa: eu amo livros narrados em primeira pessoa, principalmente se for uma narração feminina, como por exemplo a Katniss de Jogos Vorazes, a America de A Seleção ou a Alyssa de O Lado mais Sombrio. Porém, o que achei mais curioso em Pandemônio é que os capítulos são separados pelo Antes e o Depois.
Os capítulos sobre o que aconteceu após Lena chegar na selva e perder Alex, que supostamente morreu, ficam no Antes. Já os capítulos do Depois é sobre a Lena sendo parte dos inválidos, os resistentes.

E o Show de detalhes é ótimo. 
Lauren escreve muito bem sobre o que acontece e como acontece. Porém, nos momentos finais tudo vai acontecendo rápido demais e com descrições de menos. Mesmo assim o livro continuou me prendendo e me deixando muito mais curioso pelo desfecho da série que será no terceiro e último livro.



Quotes

“– Mais uma lição que você podia muito bem aprender agora: se quiser alguma coisa, se for pegá-la para você, vai sempre estar tirando de outra pessoa. Isso também é regra. E coisas precisam morrer para que outras possam viver.” Página 136

Neste momento me ocorre que as pessoas têm seus próprios túneis: espaços escuros e sinuosos, e cavernas; é impossível conhecer todos os lugares que existem dentro delas. Mesmo imaginar é impossível.” Página 225

O ódio cresce em mim e, com ele, uma onda cada vez maior de fúria. Poderiam todos arder em chamas.” Página 289

O ódio é uma corda apertando meu pescoço” 289

Quando você deixa a palavra entrar, quando permite que se enraíze, ela se espalha como mofo por todos os cantos e espaços escuros que há em você. E com ela vêm as perguntas, os medos trêmulos e frágeis, suficientes para mantê-lo permanentemente acordado.” Página 298



terça-feira, maio 27, 2014

#EuJuroQueEuQuero 6 - Maze Runner: Correr ou Morrer, de James Dashner

Editora: Vergara e Riba
Ano: 2010
Gênero: Terror, suspense, ficção.
Páginas: 426
Sinopse pela Submarino: "Suspense, Terror e Ação numa história de tirar o fôlego! Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, a única coisa que Thomas consegue lembrar é de seu nome. Sua memória está completamente apagada. Mas ele não está sozinho. Quando a caixa metálica chega a seu destino e as portas se abrem, Thomas se vê rodeado por garotos que o acolhem e o apresentam "A Clareira", um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. 
Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Porém, um fato altera de forma radical a rotina do lugar - chega uma garota, a primeira enviada à Clareira. E mais surpreendente ainda é a mensagem que ela traz consigo. Thomas será mais importante do que imagina, mas para isso terá de descobrir os sombrios segredos guardados em sua mente e correr... correr muito.
Correr ou Morrer é o primeiro volume da trilogia Maze Runner. Uma saga que, para seus fãs, evoca os mistérios da série Lost."


quinta-feira, maio 15, 2014

Sortudo de primeira viagem: Adultério - de Paulo Coelho - Editora Sextante - da promo do Zaakar

E, pela primeira vez na vida eu fui sorteado para ganhar um livro em sorteio de blogueiro!

No Zaakar.com houve uma promoção de aniversário e o ganhador foi eu mesmo :)
   


Quando fui ao blog do Rafa e me deparei com a postagem "Resultado da Promoção!", vi o um print com a minha foto noticiando que eu havia sido o sorteado. Fiquei super feliz!
Nunca havia lido nada do autor, mas como tive a sorte de ganhar um sorteio (pela primeira vez), é claro que vou lê-lo.




    Junto com o livro, vieram dois marcadores, um botom e uma sacola-bolsa (ecobags) que eu achei bem bonita.


Parabéns ao Zaakar pelos três anos e parabéns á Sextante pelo trabalho que tem feito, cada vez mais incrível!

:: Zaakar ::                :: Sextante ::


terça-feira, abril 22, 2014

News | Desfecho da Trilogia Delírio será lançado em Maio pela Editora Intrínseca!

Os amantes de Delírio já podem começar a delirar. 

A Editora Intrínseca já notificou que o lançamento do terceiro e último livro da série será lançado em maio. 

Contudo, o mais interessante sobre Réquiem é que o desfecho da trilogia não será narrado apenas por Lena como nos outros dois livros.

E isso vai deixar tudo mais delirante ainda.

"Alternando entre o ponto de vista de Lena e o de Hana, Lauren Oliver mostra que a revolução é um caminho sem volta, assim como a liberdade."





sábado, abril 19, 2014

#EuJuroQueEuTenho - O lado mais sombrio

 

Em 08 de Março minha mente girou, meu coração balançou e minha boca caiu com uma sinopse pra lá de instigante.

Hoje, junto com outros livros que eu comprei, chegou o livro dono dessa sinopse que me fez cair o queixo. E que livro bonito!

"O Coelho Branco, o Chapeleiro Maluco, o Gato, a Lagarta, a Rainha de Copas... Todos eles estão de volta, e desta vez o assunto é sério. Alyssa precisa enfrentá-los para salvar as mulheres da sua família de uma terrível maldição. Neste romance fantástico e surpreendente, a realidade pode ser muito mais perturbadora do que os sonhos"

E assim realizo mais desejo da coluna #EuJuroQueEuQuero

sábado, abril 12, 2014

#EuJuroQueEuTenho - Battle Royale


Recentemente eu estive postando na coluna #EuJuroQueEuQuero sobre o livro Battle Royale. Hoje o livro chegou e eu estou bastante animado.

Ah, o livro é enorme!








segunda-feira, abril 07, 2014

#EuJuroQueEuQuero 5 - Battle Royale, de Koushun Takami

Para todo admirador de Jogos Vorazes, tenho certeza Battle Royale será de grande interesse! 
Depois de conhecer o blog maravilhoso do Rafa Filth, o Biblioteca do Terror, nunca mais fiquei sem acompanhar suas postagens. Em um dos meus mergulhos pelo blog, me deparei com esse livro que eu com certeza vou ler. Já até comprei.



Sinopse por Rafa Filth Michalski




segunda-feira, março 10, 2014

#Resenha - Jogos Vorazes (The Hunger Games) - Suzanne Collins


"- Eu jurei que venceria"


Panem é um país dividido em doze distritos e uma capital. Cada um desses doze distritos tem sua especialidade específica de produção e cada um deles trabalham para manter a capital que governa toda a Panem. 
Katniss Everdeen, a protagonista da história, vive no distrito doze que é o responsável pela produção de carvão e também é o mais pobre de todos os distritos.

Para sobreviver nesse distrito, Katniss aprendeu a se virar.
Usando sua perfeita capacidade no manuseio de arco e flecha, ela nunca deixou sua mãe e sua irmã, Prim Everdeen, passarem fome. Em companhia de seu amigo Gale, Katniss sempre sai para caçar. Mas nada é tão bom por muito tempo...

Cerca de 74 anos antes haviam 13 distritos em Panem, mas houve uma revolta dos distritos contra a Capital que os venceu e extinguiu o Distrito 13. Para lembrar desses Dias Escuros a Capital promove todos os anos o que denominam de A Colheita.

A Colheita é um evento em que a Capital obriga cada um dos distritos a dispor de uma garota e um garoto para participar dos Jogos Vorazes. A seleção desses membros é feita através de um sorteio em que o representante de cada Distrito retira de dentro de um recipiente um nome de uma garota e depois de um garoto.
Os nomes dentro do recipiente podem estar repetidos, já que aqueles que compram téceras (grãos e óleo) só podem pagar de uma forma: colocando cada vez mais o seu próprio nome para ser sorteado na Colheita.


Imagine você, sendo obrigado a pagar por téceras para ter o que comer, colocar seu nome em mais papéis de sorteio sabendo que terá mais probabilidades de ser o escolhido para lutar vorazmente pela própria vida em uma arena em que há 23 jogadores dispostos a te matar para serem vencedores. Afinal, apenas um poderá vencer! Serão vinte e três mortos e apenas um vivo!


Mesmo Katniss tendo 15 vezes mais chances de ser sorteada na Colheita do que a sua irmã Prim Everdeen, que só tinha o seu nome apenas uma única vez para sorteio, é Prim que é sorteada.
No desespero, a coragem e o Amor falaram mais alto e Katniss se voluntaria a ir no lugar da irmã para a Septuagésima quarta edição dos Jogos Vorazes.
Seu companheiro de distrito sorteado foi Peeta Melark, um garoto que já havia salvado a vida de Katniss quando ela poderia ter morrido. E Katniss sabe que na arena terá de matá-lo ou ele a matará.

"Não tenho como vencer. Prim deve saber disso bem no fundo do coração. A competição supera minhas habilidades. Garotas de distritos mais ricos, onde a vitória é uma honra descomunal, que treinaram a vida inteira para esse momento. Garotas que são duas ou três vezes maiores do que eu. Garotas que sabem mais de vinte maneiras de te matar com uma faca. Ah, mas também vai ter gente como eu. Gente que vai ser logo eliminada do jogo antes que a verdadeira diversão comece." Página 43

Nota:

Eu sinto que faltaria algo na minha vida se eu não tivesse lido Jogos Vorazes.

Suzanne Collins, pelo menos comigo, conseguiu me jogar para dentro do livro e me fazer sentir tudo o que a protagonista Katniss sentia.
Consegui sentir medo com a Katniss e também desconfiei de tudo o que ela desconfiou. Senti raiva de alguns personagens e outros eu queria que morresse logo por serem sonsos e astutos demais, ou seja, uma ameaça para Katniss.

De alguns personagens eu preciso falar: Simpatizei pra caramba com o Cinna, mas em poucos momentos eu me sentia confortável com a Effie Trinket. Cheguei a odiar o Haymitch, mas não tanto como odiei aquele otário do Cato.

Estou feliz por ter lido Jogos Vorazes sem ter tido nenhuma pré informação. Eu não sabia nem o nome da protagonista, nem ao menos do que se tratava. Fugi de todas as resenhas possíveis e nada de assistir ao filme antes de ler o livro. O resultado foi o de ter a melhor experiencia literária até hoje: começar a ler um livro sem saber nada sobre ele.

"- Bem, há uma garota. Sou apaixonado por ela desde sempre. Mas tenho certeza de que ela não sabia que eu existia até a colheita..." Página 143



Leia Jogos Vorazes e se apaixone.
Mal vejo a hora de começar a ler o segundo livro da trilogia: Em Chamas

sábado, março 08, 2014

#EuJuroQueEuQuero 4 - O Lado mais sombrio

A Editora Nova Conceito já notificou os lançamentos para o próximo mês e entre eles está o livro O Lado mais sombrio escrito por A. G. Howard.
Já me chamou atenção só pela capa e a frase da capa, mas essa sinopse me deixou intrigado e morrendo de vontade de comprar esse livro. Aliás, já comprei em pré lançamento.




Sinopse pela Nova Conceito"Alyssa Gardner ouve os pensamentos das plantas e animais. Por enquanto ela consegue esconder as alucinações, mas já conhece o seu destino: terminará num sanatório como sua mãe. A insanidade faz parte da família desde que a sua tataravó, Alice Liddell, falava a Lewis Carroll sobre os seus estranhos sonhos, inspirando-o a escrever o clássico Alice no País das Maravilhas. Mas talvez ela não seja louca. E talvez as histórias de Carroll não sejam tão fantasiosas quanto possam parecer. Para quebrar a maldição da loucura na família, Alyssa precisa entrar na toca do coelho e consertar alguns erros cometidos no País das Maravilhas, um lugar repleto de seres estranhos com intenções não reveladas. Alyssa leva consigo o seu amigo da vida real – o superprotetor Jeb –, mas, assim que a jornada começa, ela se vê dividida entre a sensatez deste e a magia perigosa e encantadora de Morfeu, o seu guia no País das Maravilhas. Ninguém é o que parece no País das Maravilhas. Nem mesmo Alyssa..."



sexta-feira, janeiro 24, 2014

#TFP - Trecho (Morte Subita - J.K. Rowling) - A Honestidade



"Na sua opinião, o maior erro de noventa e nove por cento das pessoas
é ter vergonha de serem quem são, é mentir a esse respeito, fingindo ser
alguém diferente. A honestidade era a sua marca, a sua arma, a sua defesa.
Quando somos honestos, as pessoas se assustam, ficam chocadas. Bola
descobriu que tem gente que fica aferrada a constrangimentos e falsas
aparências, morrendo de medo que as suas verdades possam se espalhar.
Ele, porém gostava mesmo era das coisas nuas e cruas, de tudo que fosse
feio, mas honesto, das coisas sujas que fazem pessoas como o seu pai se
sentirem humilhadas e enojadas. Pensava muito sobre messias e párias, so-
bre homens que eram taxados de loucos ou criminosos, nobres marginais
rejeitados pelas massas inertes.
O mais difícil, a verdadeira glória era sem quem a gente realmente é,
mesmo quando se trata de uma pessoa cruel ou perigosa, aliás, especial-
mente nesses casos. É preciso ter coragem para não tentar disfarçar o ani-
mal que lhe calhou. Por outro lado, é preciso evitar fingir ser mais que
o animal que você é: se entrar por esse caminho, se começar a exagerar
ou aparentar outra coisas vai acabar se tornando um outro Pombinho, tão
mentiroso, tão hipócrita quanto ele. Autêntico e inautêntico eram pala-
vras que Bola usava com frequência, mentalmente. Na sua opinião, esses
dois termos tinham uma incrível precisão de significado, e ele os aplicava
referindo-se tanto a si  mesmo quanto aos outros. "
 Morte Súbita - J.K. Rowling - Página 77 e 78

segunda-feira, janeiro 13, 2014

#Resenha: O Pacto (Horns) - Joe Hill






Imagine que você acordou se sentindo diferente mas não ligou muito pra isso, já que é super normal acordar se sentindo assim ás vezes. Mas então, quando finalmente vai escovar seus dentes, você se surpreende com a sua própria imagem refletida no espelho. Á principio parece ser só uma ilusão, mas quando você leva as mãos até a cabeça aquilo está lá, pontudo e de verdade.

Você está com dois chifres.

Ignatius Perrish chegou a mijar nos próprios pés quando viu um par de chifres em sua cabeça. Mesmo com esses novos companheiros aterrorizantes, Ig resolveu seguir a monotonia do dia-a-dia, e com ela procurar alguém a que pudesse ajudá-lo.
Para sair de seu apartamento, ele precisou passar pela sala onde estava Glenna, uma "amiga" com quem ele havia dormido ou dividia o seu ap, e através dela, Ig descobriu que sua vida estava se tornando um tanto quanto anormal. 




Glenna parecia uma maluca dizendo á Perrish coisas que ele nunca pensou que iria ouvir da boca dela.
Na verdade, Ig começou a ver e a ouvir coisas, que ele nunca desconfiaria que pudessem dizer ou fazer, vindas de muita gente. Inclusive de sua própria família.


Ignatius tinha uma vida boa. Tinha uma família de sobrenome importante, um irmão companheiro, um melhor amigo, mas havia coisas ruins também. Ig perderá Merrin, a garota de sua vida, que havia sido assassinada e estuprada, e a quem ele era o principal suspeito.


Nada seria como antes após tudo começar a fazer sentido para Ig.
Agora ele era uma espécie de demônio ou algo do tipo, e qualquer pessoa que olhasse para os seus chifres iria revelar seus piores segredos.
A partir disso, Ignatius resolve usar seu novo dom á seu favor, descobrindo e investigando tudo o que pudesse levá-lo a algum lugar positivo em relação a ele e ao assassinato de sua garota Merrin. E o que ele descobre com o uso do poder desses chifres está além do que ele poderia, um dia, imaginar.




Nota:

Esse livro me deu uma leitura pra lá de impactante.
Nunca me desviei tanto da realidade como aconteceu enquanto estive lendo esse livro, eu me senti absorvido pela escrita de Joe Hill em O Pacto.

Se eu tivesse ido pela opinião de muitos leitores, eu não teria lido esse livro. Por isso que eu sempre digo, se você quer ter uma opinião sobre algo, conheça antes, argumente depois.
Quanto ao lado "satânico" do livro, minha opinião é: eu gosto de livros de terror, e pra mim tudo bem se eu ler um livro que tenha o satanás como protagonista, como vilão ou como um mocinho.
O próprio homem pode ser pior que o diabo, isso é, se o homem entregar a liderança para o diabo, não é?!

Deixe toda e qualquer opinião alheia de lado e leia O PACTO de Joe Hill.
E então conheça o detestável Lee Torneau, a estranha Glena, o idiota Eric, o arrependido Terry e sinta vontade de conhecer a maravilhosa Merrin, tudo isso com o imprudente e indiferente Ignatius Perrish.

Ah, e se prepare pra rir muito. Não é porque é um livro de terror que não tem momentos pra lá de engraçados.




terça-feira, janeiro 07, 2014

Algo sobre: Delírio (Delirium) - Lauren Oliver

http://gabryelfellipeaalgosobreolivro.blogspot.com/2014/01/2014-resenha-delirio-delirium-por.html

Sinopse pela Skoob:

Muito tempo atrás, não se sabia que o amor é a pior de todas as doenças. Uma vez instalado na corrente sanguínea, não há como contê-lo. Agora a realidade é outra. A ciência já é capaz de erradicá-lo, e o governo obriga que todos os cidadãos sejam curados ao completar dezoito anos.

Lena Haloway está entre os jovens que esperam ansiosamente esse dia. Viver sem a doença é viver sem dor: sem arrebatamento, sem euforia, com tranquilidade e segurança. Depois de curada, ela será encaminhada pelo governo para uma faculdade e um marido lhe será designado. Ela nunca mais precisará se preocupar com o passado que assombra sua família. Lena tem plena confiança de que as imposições das autoridades, como a intervenção cirúrgica, o toque de recolher e as patrulhas-surpresa pela cidade, existem para proteger as pessoas.

Faltando apenas algumas semanas para o tratamento, porém, o impensado acontece: Lena se apaixona. Os sintomas são bastante conhecidos, não há como se enganar — mas, depois de experimentá-los, ela ainda escolheria a cura?



Algo Sobre:

Antes eu preciso admitir que estou bastante chateado por ter apagado, sem perceber, a resenha que eu havia feito sobre esse livro maravilhoso. Deixando as chateações de lado...

Começo destacando a beleza dessa capa linda e que ainda por cima brilha conforme os movimentos. E é claro que eu comprei Delírio por conta da capa, mas não apenas pela capa. Foi também pela sinopse.

Após a leitura do livro eu comecei a refletir o que outros leitores de Delírio também começaram a refletir: sobre a vida e os ensinamentos que ela proporciona e a importância que é preciso ter sobre esses ensinamentos. Em analisar sobre o que vem até nós e sobre o que realmente concerne com o que já sabemos que é verdade.

Uma descrição sobre Delírio: Arrebatador!

Delírio não é um romance bobo onde a mocinha é frágil e idiota e o mocinho é o fodão que vai se encontrar com ela e começar o mela-mela de todo o romance chaaato e estereotipado. 

Delírio é uma distopia. A "mocinha" e o "mocinho" são pessoas comuns, mas diferentes dos outros.

Ele se apaixona por ela, porque ela se parece com um passarinho livre, cheio de vida.
Ela se apaixona por ele porque finalmente, com ele, ela encontra na vida, um significado. Ele a faz se sentir alguém.


Os únicos pontos que eu tenho a reclamar é sobre como as coisas demoram pra acontecer e sobre quando elas acontecem, tudo ser rápido demais.

Contudo, Delírio se tornou um dos meus livros favoritos e já estou pronto para ler os próximos da série.



segunda-feira, janeiro 06, 2014

#EuJuroQueEuQuero 2 e 3 - A Culpa é das Estrelas e Pandemônio

É só o sexto dia do ano e eu já tô com aqueles sintomas cortantes de ansiedade para chegar logo as minhas compras.



Titulo: A Culpa é das Estrelas

Autor: John Green

Ano: 2012

Páginas: 288

Sinopse: "Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas."






Titulo: Pandemônio
Autor: Lauren Oliver
Ano: 2013
Páginas: 304
Sinopse: Em Pandemônio, o segundo livro da série, Lena Haloway está dividida entre o "antes"- que mostra seu sofrimento por ter perdido Alex ao mesmo tempo que precisa se transformar em alguém forte o suficiente para sobreviver na Selva - e o "agora", seu cotidiano infiltrada na cidade como integrante da Resistência. Ela terá que lutar contra um sistema cada vez mais repressor, sem, porém, se transformar em um zumbi: modo com os Inválidos se referem aos curados. E não importa o quanto o governo tema as emoções: as faíscas da revolta pouco a pouco incendeiam a sociedade, vidas de todos os lugares... inclusive de dentro.